meia

Vitória retumbante, mas …

É este o sentimento amargo dos Professores Contratados após o resultado obtido pelos sindicatos decorrente das greves às avaliações finais e aos exames nacionais.

Utilizando uma terminologia desportiva, faz recordar aquelas partidas em que a nossa equipa realiza um grande jogo, obtém uma grande vitória, mas ocorre algo que ensombra o resultado. Seja pela lesão da “estrela” da nossa equipa, seja pela expulsão do nosso treinador!
Os Professores Contratados aderiram massivamente às greves dos Conselhos de Turma de avaliação, conforme pode ser testemunhado por todos aqueles que frequentam diariamente o espaço – Escola. A forte mobilização e a solidariedade que evidenciaram contribuíram decisivamente para o sucesso da luta!
Contudo, o sentimento é de profunda desilusão, pois dos sindicatos nem uma palavra sobre precariedade docente, vinculação extraordinária ou Professores Contratados. Uma oportunidade perdida!

Mais uma vez, quando existiam fortes condições para a união dos Professores e para a obtenção de uma vitória retumbante, a miopia estratégica e a falta de capacidade de descentração, originaram que os problemas que se colocam ano após ano aos Professores Contratados tivessem sido ignorados nas negociações, não se tendo obtido qualquer contrapartida da sua adesão às greves. No que se refere aos Professores Contratados os resultados pela sua elevada participação nas greves foi simplesmente zero! Sim, porque a mobilidade e um horário de trabalho sem reduções é o que nos afeta há 10, 15 e mais anos!

Os Professores Contratados que ainda acreditavam que quando a luta se fazia era em prol de todos, tiveram mais uma vez a prova do contrário! Desenganem-se, pois se não foi aproveitada a forte dinâmica criada por esta greve que poderia ter sido catapultada para uma vitória em todas as frentes, vemo-la como a grande oportunidade perdida. Ficou mais uma vez provado, que dependemos só de nós próprios!

Pedro Gomes Vieira
Vice-presidente ANVPC